quarta-feira, 26 de setembro de 2007

E a Mónica aí está, desde 26 de Setembro de 1974


(...) Vivia-se de facto uma época muito conturbada. Recentemente chegado da guerra colonial e ainda com os traumas das experiências vividas naquele conflito, "mergulhei com todo o entusiasmo no mar de gente" que em radiante euforia, se congratulava com a queda do regime Marcelista em 25 de Abril de 1974. Talvêz por isso, "e por ter mergulhado tão fundo sem ter tempo de vir à superfície respirar a realidade", não dei demasiada importância "às coisas tão belas e tão tamanhas" que a vida então me proporcionava. A guerra tinha-me transformado num "bloco de gelo que se recusava derreter à mínima demonstração de afecto" o que punha em causa a minha estabilidade emocional e a relação afectiva com os outros. É em 26 de Setembro de 1974, que se dá a minha primeira explosão de alegria, com o nascimento da minha filha Mónica no hospital de Alhos Vedros. Ainda me lembro do dia quando cheguei do trabalho e pedi que me deixassem vê-la, apesar do adiantado da hora e de já não estar na hora da visita. Uma enfermeira trazia ao colo aquela "boneca", bem embrulhada numa manta e, passados que são 33 anos, ainda recordo essa imagem com bastante saudade como se a tivesse gravada no meu peito.
Mais tarde, volvidos alguns anos, e por imposição de lógicas e valores meramente egoístas que não importa agora recordar, reconheço que fizeram de mim um "pai ausente", ao "arrancarem de mim aquela boneca", tal como outros fizeram aos brinquedos que não tive tempo de ter na minha infância. Mas, apesar da distância no tempo e passados que são agora os 33 anos do seu aniversário, a minha filha Mónica continua a ser para mim "aquele pequeno pássaro que muito me encanta ouvir o seu cantar".
Depois de há muito ter reaprendido a dar valor "às coisas tão belas e tão tamanhas", transporto hoje dentro de mim uma imensa alegria, por essas "coisas" me terem devolvido um outro pedaço de felicidade que me fora "arrancado" mas a que tinha direito.
Neste seu dia de aniversário, só desejo à Mónica que a sua vida continue a ser uma constante e imensa "explosão alegria", e que a felicidade continue a transbordar do seu sorriso "como a àgua que se desprende da cascata e mergulha num rio enfeitado de nenúfares" (...)


Carlos Vardasca
26 de Setembro de 2007

4 comentários:

Monica disse...

OBRIGADA pai está lindo!
Adoro-te

Luisa Hingá disse...

Parabéns à monica pelo aniversário e pelo pai ternurento que tem.
O meu também era.

Carlos Vardasca disse...

Olá filhota

Da mesma forma que me adoras, eu à minha maneira mas com a mesma dimensão e afecto, amo-te.
Uma beijoca do pai

Carlos Vardasca disse...

Olá Luisa

Infelizmente,nem todos os pais têm a noção do real valor afectivo do que é ter uma filha como a Mónica.
Beijinhos
Carlos Vardasca